Cidadãos brasileiros, empresários, jornalistas, senhoras e senhores parlamentares,


Os profissionais do seguro social, representados pela ANACSS, são, no conjunto dos servidores públicos, os que andam mais próximos das parcelas mais vulneráveis da população brasileira.

Nossa vivência diária nos faz entender profundamente as dificuldades daqueles a quem a COVID-19 ameaça mais seriamente. Com base nisso é que afirmamos que a Constituição cidadã não pode ser atacada durante os meses de crise. Foi ela que criou o sistema de seguridade social. E ele deve ser entendido como um patrimônio da sociedade para ser ampliado em tempos de crise, jamais diminuído.


Desde os anos 1970 o padrão monetário mundial deixou de ter lastro no ouro e passou a ter lastro na confiança. Por isso o real, como as grandes moedas do mundo, é chamado de moeda fiat, ou seja, cujo valor é estipulado com base na confiança do mercado.

A sociedade brasileira precisa ser alertada de que – do ponto de vista da construção da confiança na economia nacional que serve de lastro para o próprio real –tão grave quanto ser leniente em tempos de bonança, é ser desprovido de coragem em momentos de desafio.


No momento em que a ampliação do investimento estatal é fundamental para manter viva a economia nacional, medidas que tiram reais de circulação são mais até que absolutamente improdutivas, são contraproducentes.

É hora de estimular a economia, não de refreá-la ainda mais. Podemos afirmar com segurança que a covardia na gestão econômica da vida nacional que se evidencia pela tentativa de reduzir os vencimentos dos servidores públicos terá graves consequências, perpetuando a incapacidade nacional de produzir ciclos de crescimento econômico saudável e sustentado.


Cortar salários do setor público quando já se espera uma brutal queda dos salários da iniciativa privada é aprofundar a queda do meio circulante num momento em que a restrição à circulação de pessoas já impõe enormes barreiras à circulação de mercadorias e outras, ainda maiores, à prestação dos serviços na iniciativa privada.

É hora de ampliar a prestação de serviços públicos, inclusive com contratações adicionais, horas-extras e demais medidas. Saúde, alimentação e mesmo a geração de renda sofrerão baixas na iniciativa privada. Cortá-las do lado público somente servirá para aprofundar a fome, a doença e o desemprego, com impacto severo para o conjunto da sociedade, abrindo as portas para o agravamento dos efeitos sociais da COVID-19.

É momento de medidas anticíclicas. Não de medidas contracionistas e recessivas.

Nós, da carreira do seguro social, sabemos como a economia real, aí incluída a iniciativa privada, em milhares de municípios depende fundamentalmente da injeção criteriosa de fundos públicos por meio do Sistema de Seguridade Social.

É hora de ampliar a força deste sistema, transformando a realidade para que ela possa refletir cada vez mais o texto constitucional. Tomar medidas aprofundadoras do ciclo econômico recessivo é tudo que o país não pode fazer neste momento. A renda dos servidores públicos faz parte do conjunto de injeção de recursos na economia nacional e assim deve ser encarada, sob pena de aprofundamento da recessão que se avizinha inexoravelmente.

É absolutamente irresponsável enxugar o que está desprovido de liquidez.


A ANACCS está disposta a dialogar com o Legislativo, com o Governo e com o Judiciário para evitar o agravamento da piorada situação da seguridade social, bem como das condições socioeconômicas dos brasileiros, sobretudo daqueles mais vulneráveis.

Rechaçamos o Editorial de O Globo que diz que os servidores públicos devem dar sua parcela de contribuição.

É hora do andar de cima começar a dar sua parcela de contribuição. As grandes fortunas precisam ser tributadas, a exemplo do que ocorre nas nações ocidentais mais desenvolvidas.


Por fim, estamos mobilizados para enfrentarmos a COVID 19 e solicitamos a todos os servidores do INSS o empenho e dedicação para uma ampla campanha de conscientização quanto as precauções e prevenção.



DIRETORIA EXECUTIVA DA ANACSS

Posts recentes

Ver tudo